Leia como uma jovem superou a separação, recomeçou sua vida e conquistou a felicidade - Blog Viver Feliz

Receba gratuitamente dicas e artigos do blog. Faça parte desse grupo de leitores.

Leia como uma jovem superou a separação, recomeçou sua vida e conquistou a felicidade

Casei-me pensando que seria amor eterno, que viveria o resto da minha vida com meu marido. Acreditava que envelheceríamos juntos. Quando me casei eu estava com 25 anos de idade, destes, 5 anos fomos namorados. Eu era uma mulher sonhadora e apaixonada, realizando o maior sonho da minha vida que era ter uma família.  

noiva

No segundo ano de casada engravidei. Quando o Eduardo nasceu minha felicidade se completou. Ele era um bebê lindo e saudável. Queríamos a melhor educação para ele. Juntos decidimos que o melhor para nosso filho seria crescer sob os cuidados da mãe. Por essa razão, afastei-me do trabalho.

Minha dedicação era integral ao meu filho. Nesse período, meu marido, começou a demonstrar insatisfação quanto ao nosso casamento. Ele reclamava que já não podia fazer e ir aonde queria e que dormia mal à noite porque eu o chamava para ajudar a cuidar do Eduardo. Mas ainda assim demonstrava ser um ótimo pai. Nosso filho era muito apegado a ele.

Na medida em que Eduardo crescia, minha relação com meu marido se tornava distante e fria. As brigas eram constantes. Ele muitas vezes chegava tarde da noite e não gostava de dar explicações. Diante da minha insistência dizia que estava com os colegas de trabalho.

casal-discutindo

Eu vivia angustiada e triste. Minha única alegria era o meu filho. O que piorava muito minha condição era a dependência financeira. Eu era dependente dele, tanto financeira, quanto emocional, pois o amava e não suportava ver meu casamento ruir.

Por muitas vezes conversei com ele na tentativa de salvar nosso casamento, mas me assustava a frieza com que ele me tratava. Isso nos afastou ainda mais ao ponto de nos tornarmos estranhos vivendo na mesma casa. Ele continuava carinhoso com o filho, mas comigo era bem diferente.

briga-de-casalDesconfiava de infidelidade, mas nunca pude comprovar. Eu vivia insegura, chorosa e infeliz.

Meu mundo caiu em uma sexta-feira quando, após o trabalho, ele não voltou para casa. Ao voltar no outro dia confessou que estava mantendo um relacionamento extraconjugal.

Naquele momento algo se quebrou dentro de mim. Nunca antes havia me sentido tão agredida, humilhada e infeliz. Pedi a ele que saísse de casa.

Os dias seguintes foram de muito sofrimento e dor.

Minha família me ajudou muito a superar essa fase. Apoiou-me de forma incondicional. Eu não queria me separar, mas diante do que tinha se tornado o meu relacionamento essa era a única coisa a fazer. Não dava para voltar atrás.

Sentia-me culpada em me separar, pois privaria meu filho da convivência diária com o pai.

Eduardo, então com 4 anos, sofreu muito com a ausência do pai. Tornou-se agressivo na escola. Diante de qualquer motivo chorava e as febres eram frequentes.

Eu precisava ser forte para enfrentar todo o processo de separação e também para cuidar do meu filho.

Vendemos a casa. Foi estabelecido pensão e visitas. E cada um foi viver sua vida.

Nessa fase desci no fundo do poço. Tive depressão e por um longo período apenas esperei que os dias passassem, sem vontade de viver.

Coração-partido

Mas, pelo meu filho, recobrei minhas forças.

No dia do aniversário de 5 anos do Eduardo fizemos uma festinha com familiares e alguns amiguinhos dele. Meu ex marido compareceu, acompanhado de sua atual companheira. A mesma que provocara nossa separação.

Esse fato foi a gota d’água para que eu despertasse daquele estado no qual me encontrava. Não aceitei que a moça entrasse no local da festa.  Eduardo ficou muito feliz com a presença do pai, que permaneceu por pouco tempo. Eu sempre fazia questão de maltratá-lo nas visitas ao meu filho.

Mas, desse dia em diante minha vida tomou novo rumo. Parei de sonhar com a possibilidade de volta.

Percebi a necessidade de fazer alguma coisa para mudar minha história e seguir em frente.

Eu não podia continuar vivendo daquele jeito. Mas, eu precisava de ajuda.

Desde a separação eu morava de favor na casa dos meus pais. Resolvi usar o dinheiro que me coube com a separação para comprar um apartamento. Meu pai me ajudou a completar o valor do imóvel. Eu precisava de um espaço só meu e do meu filho.

Arranjei um emprego. Meu filho ficava na escola o dia todo. No fim do expediente eu o buscava e ficávamos juntos em casa. Nossa vida estava finalmente estabilizada. Parei de tomar remédios para a depressão. A empresa onde eu trabalhava oferecia tratamento psicológico aos funcionários e isso me ajudou bastante.

Voltei a frequentar a igreja dos meus pais e vi minha fé reacender, isso fez toda a diferença. Sem Deus não somos nada. Com Deus tudo faz sentido.

mãe-e-filho

Por orientação da psicóloga, li bons livros. Passei a fazer atividade física diariamente. Cuidei da minha alimentação. Emagreci 20 quilos. Cortei meus cabelos. Minha aparência mudou. Eu me sentia bonita. Elevei minha autoestima. Com muita coragem, determinação e disciplina voltei a ser feliz.

Quando se está no fundo do poço, sair exige muito esforço. Mas, a verdade é que, lá do fundo do poço, não tem jeito de descer mais. Então, quando por alguma razão chegamos nesse ponto é hora de ressurgir. Não é fácil. Mas acredite, eu estive lá. E posso dizer que permanecer nesse buraco é mais difícil porque o tempo passa e você não vê nada de bom acontecendo com você.

Então, a primeira coisa é querer sair. Mesmo que você não tenha forças. Aceite os conselhos que ouve e queira sair. Queira sair com a razão. Decida sair.

Querendo, você vai perceber um mundo de possibilidades. Inúmeras pessoas que querem o seu bem e torcem por você.  

E depois, fé, boas leituras, atividade física, pensamento positivo. Invista em você para melhorar sua autoestima. Estabeleça metas. Tenha projetos.

Fiz tudo isso, um a um, levou tempo, mas deu certo.

Hoje, meu filho é feliz. Meu ex-marido vai visitá-lo sempre que pode, estimulo esses encontros, porque sei que é o melhor para os dois.

Não guardo mágoas. Quero ver as pessoas felizes. Porque é isso que desejo para mim.

Graças a Deus encontrei meu caminho. Reconstruí minha vida. Ressurgi das cinzas.

Estou namorando um rapaz que pensa como eu, me respeita, me acha linda, gosta do meu filho. Não estamos pensando em casar, mas se acontecer vai ser muito bom.

Tudo o que leio neste blog me encoraja a continuar de cabeça erguida. Acesso sempre para ler as novidades, porque sempre aprendo alguma coisa boa que melhora meu dia e me estimula a querer ser uma pessoa melhor.

Muito obrigada. (Z.R.P)

mlher-feliz

Summary
Article Name
Da separação ao recomeço
Author
Description
Casei-me pensando que seria amor eterno, que viveria o resto da minha vida com meu marido. Acreditava que envelheceríamos juntos. Quando me casei eu estava com 25 anos de idade, destes, 5 anos fomos namorados. Eu era uma mulher sonhadora e apaixonada, realizando o maior sonho da minha vida que era ter uma família.

Fique por dentro de todas as novidades do blog:

Deixe seu comentário




Leia mais




Ver peliculas online